30 de junho de 2011

SPA – Síndrome de Pensamento Acelerado

Veja também: Dicas para desacelerar o pensamento

Tomei conhecimento desta síndrome a ler Augusto Cury. Trata-se de algo cada vez mais presente nos nossos dias.
Abordando a questão de forma simples, trata-se de hiperprodução de pensamentos*. Pensa-se, pensa-se, pensa-se… Depois pensa-se sobre esse pensamento, mais tarde pensa-se sobre o facto de estarmos a pensar sobre esse pensamento e atinge-se níveis de grande abstracção.
Pensa-se em tudo, pensa-se nas várias interpretações possíveis, pensa-se se não se estará a pensar demais, quer-se deixar de pensar e não se consegue.
Tem uma vantagem, se bem que a custos elevados. Consegue-se pensar a longo prazo, prever inúmeras situações, permitindo-nos a prevenção de muitos males e até mesmo o ensaio de discursos futuros.  
Também permite um conhecimento detalhado de inúmeras questões e um envolvimento profundo em muitas situações. Isto tanto pode ser bom como mau.
Augusto Cury descreve esta síndrome da seguinte forma: “… uma fábrica de preocupações e tenções…” que transforma “…a psique num poço sem fundo de stress.”
Segundo o autor as causas são: “…excesso de informação, excesso de actividade, excesso de estímulos, excesso de preocupações.” As consequências: “… dores de cabeça, dores musculares, queda de cabelo, taquicardia, falta de ar, gastrite, corpo cansado, (…) irritabilidade, impaciência, reacções explosivas, limiar baixo às frustrações, sofrimento por antecipação, desânimo, insatisfação crónica, baixa concentração e o famoso esquecimento ou défice de memória.”
Um psicólogo apresentou-me, certa vez, uma estratégia para se lidar com esta síndrome que ajuda muito. Ela é: escrever. Ao escrevermos, organizamos o nosso pensamento e arrumamo-lo. Não precisamos voltar a pensar. Está guardado. E se lemos o que escrevemos, torna-se mais fácil apercebermo-nos quando estamos a exagerar.
*Termo utilizado por Augusto Cury
Fonte: CURY, Augusto, Mentes Brilhantes, Mentes Treinadas, Alfragide, Livros D’Hoje, 2011.

29 de junho de 2011

Porque somos tímidos a dizer o que é bom?

Se pensarmos um pouco, não creio que seja difícil constatar que em diversos aspectos da nossa vida em sociedade, a tónica está mais na reclamação do que no reforço positivo. A crítica é uma constante e o elogio uma raridade.
Este facto não motivará as pessoas a não darem o seu melhor? Terá vontade de manter ou melhorar o seu desempenho, quer a nível profissional, quer a nível pessoal, quem não se sente recompensado pelo que faz de positivo? Vejamos três exemplos.
Um filho esforça-se por obter bons resultados na escola, esforça-se para se comportar correctamente, esforça-se para ter tudo arrumado, senão ouve um sermão ou fica de castigo. Este menino é um filho maravilhoso e é o orgulho dos seus pais, mas não faz ideia de que o é, se eles não lho disserem. Pode até viver com a crença de que não é suficientemente bom e que não está a agradar os seus pais.
Um funcionário dá o seu melhor na empresa onde trabalha. É competente, relaciona-se bem com os colegas, com os seus superiores e com os clientes, até contribui para dar bom nome à empresa e o seu chefe está muito satisfeito com ele. Mas se nunca lho disser, o funcionário pode pensar que o seu desempenho não é suficientemente bom, pode ficar desmotivado com a sua profissão e até deixar de trabalhar com o coração.
Uma mulher esforça-se por mimar o seu marido. É uma excelente cozinheira, tem a casa impecável, tem um bom emprego e contribui muito para as despesas do lar, é linda, atraente e muito carinhosa. Mas se o marido deixa de lhe dizer que a ama e que a admira pelas suas qualidades, ela pode desenvolver uma série de complexos e até tornar-se ciumenta.
O ser humano é um ser social por natureza, e, como tal, adora falar, dizer, contar. Porque é que não preenchemos frequentemente os nossos diálogos com referências a tudo o que gostamos nos outros? Para além de fazer bem à auto-estima de cada um e de motivar cada pessoa a dar sempre o seu melhor, também fortalece toda uma série de laços sociais, profissionais, familiares, e amorosos.
Como seria bonito se todos fossem dotados na arte de elogiar, se esse dote fosse contagioso e tivéssemos uma enorme epidemia!

28 de junho de 2011

Há amores complicados

 “I wanna love you, but I better not touch (don’t touch)”*
“I wanna hold you, but my senses tell me to stop”*
“I wanna kiss you, but I want it too much (too much)”*
“I wanna taste you, but your lips are venomous poison”*

O amor é intemporal e universal, seja lirismo renascentista, seja hard rock!
“You’re poison, I don’t wanna break these chains”*
“I hear you callin’ and it’s needles and pins (and pins)”*

*Alice Cooper
**Luís Vaz de Camões



27 de junho de 2011

AS MINHAS ASAS

Almeida Garrett


Eu tinha umas asas brancas,
Asas que um anjo me deu,
Que, em me eu cansando da terra,
Batia-as, voava ao céu.

– Eram brancas, brancas, brancas,
Como as do anjo que mas deu:
Eu inocente como elas, 
Por isso voava ao céu.

 

Veio a cobiça da terra.
Vinha para me tentar;
Por seus montes de tesouros
Minhas asas não quis dar.

– Veio a ambição, co'as grandezas,
Vinham para mas cortar
Davam-me poder e glória
Por nenhum preço as quis dar.

Porque as minhas asas brancas,
Asas que um anjo me deu,
Em me eu cansando da terra
Batia-as, voava ao céu.


Mas uma noite sem lua
Que eu contemplava as estrelas,
E já suspenso da terra,
Ia voar para elas,

– Deixei descair os olhos
Do céu alto e das estrelas...
Vi entre a névoa da terra,
Outra luz mais bela que elas.

E as minhas asas brancas,
Asas que um anjo me deu,
Para a terra me pesavam,
Já não se erguiam ao céu.

Cegou-me essa luz funesta
De enfeitiçados amores...
Fatal amor, negra hora
Foi aquela hora de dores!

– Tudo perdi nessa hora
Que provei nos seus amores
O doce fel do deleite,
O acre prazer das dores.

E as minhas asas brancas,
Asas que um anjo me deu
Pena a pena me caíram...
Nunca mais voei ao céu.

(Almeida Garrett - Flores sem Fruto)

Foto de Almeida Garrett retirada de: http://auladeliteraturaportuguesa.blogspot.com/2008_06_01_archive.html
Foto das Asas retirada de : http://loucurasdeumanjo.blogspot.com/2009/07/quero-brincar-de-ser-mau.html

A força das palavras

As palavras têm uma força surpreendente. Há contudo situações que nos fazem esquecer como são poderosas.
Com palavras pode-se mentir. E assim, muitas pessoas dizem que querem acções e não palavras.
É mais fácil dizer que fazer. E novamente as palavras são menosprezadas.
Mas reparem. Uma intriga não compromete uma reputação? Uma ofensa verbal não nos faz ficar tristes ou não nos faz até chorar? Um elogio não nos faz sorrir? Uma declaração de amor não nos faz voar? Não rimos de anedotas que ouvimos? Não choramos com certas histórias? Aqui está comprovada a força das palavras.
Portanto, do mesmo modo que as palavras nos fazem sorrir, rir, chorar, sofrer… também nos fazem ganhar ou perder. Fazem diferença entre a derrota e a vitória.
Se dizemos que não vamos conseguir, não conseguimos. Se dizemos que vamos, conseguimos mesmo.
Vamos dizer a nós próprios: Eu sou espectacular! Tenho o amor de muita gente! Vou concretizar os meus sonhos! Vou mesmo! Vou conseguir!

24 de junho de 2011

Força para seguir em frente

Apesar das contrariedades, das dificuldades, das desilusões, das frustrações…
Embora nos tentem deitar para baixo, nos tentem magoar, prejudicar…
Mesmo doentes, mesmo na dor, na agonia…
Por muito partido que esteja o coração, há que encontrar a força e a vontade de continuar!
E sorrir sempre!

É como naquela canção dos Queen: The show must go on!


The Show Must Go On

Grupo de Rock: Queen
Fonte da Imagem
Empty spaces - what are we living for
Abandoned places - I guess we know the score
On and on, does anybody know what we are looking for

Another hero, another mindless crime
Behind the curtain, in the pantomime
Hold the line, does anybody want to take it anymore

The show must go on
The show must go on
Inside my heart is breaking
My make-up may be flaking
But my smile still stays on

Whatever happens, I'll leave it all to chance
Another heartache, another failed romance
On and on, does anybody know what we are living for

I guess I'm learning, I must be warmer now
I'll soon be turning, round the corner now
Outside the dawn is breaking
But inside in the dark I'm aching to be free

The show must go on
The show must go on
Inside my heart is breaking
My make-up may be flaking
But my smile still stays on

My soul is painted like the wings of butterflies
Fairytales of yesterday will grow but never die
I can fly - my friends

The show must go on
The show must go on
I'll face it with a grin
I'm never giving in
On - with the show -

I'll top the bill, I'll overkill
I have to find the will to carry on
On with the -
On with the show -
The show must go on

16 de junho de 2011

TOC – Desliguei o ferro?

D. Maria tem um transtorno obsessivo compulsivo. Diariamente verifica se todas as tomadas estão desligadas, se as bocas do fogão estão fechadas, se as portas ficam trancadas. Sempre que sai de casa de manhã verifica as tomadas, as bocas do fogão e as portas. À hora do almoço as tomadas, as bocas do fogão e as portas verifica. Ao deitar verifica as tomadas, as bocas do fogão e as portas novamente. Mas o que mais a preocupa é o ferro de passar roupa.
Depois de fechar a porta de casa a trás de si, tem de voltar a entrar e verificar se o ferro está desligado. Durante o dia, liga à empregada e pergunta se o ferro desligado está. Quando não está ninguém em casa, pede ao marido ou à filha para ir a casa verificar.
Como o nome indica. Isto é um grande transtorno. Por isso, quando D. Maria ia certo dia viajar com o marido, a sábia filha fez o seguinte.
Estava D. Maria no aeroporto, quando perguntou se tinha desligado o ferro. O marido disse que sim, mas por via das dúvidas pediu à filha que fosse a casa ver. A filha disse:
- O ferro está aqui. – E mostrou-lhe o ferro.
Já no avião D. Maria perguntou ao marido:
- A nossa filha mostrou-nos o ferro no aeroporto, não mostrou?

Assim se conquista uma mulher

Como curar a dor de amor?

Para uma amiga e para todos os que sofrem por amor.
Pode até nem ser a maior dor neste mundo, mas certamente está entre as maiores.
Sintomas: lágrimas, falta de apetite, insónias, depressão, redução dos níveis de auto-estima, olhar parado, baixo e triste, fraqueza, desânimo… e tudo o mais que quem por isso já passou bem conhece.
Qual o remédio? Um forte antibiótico.
Nome?
Não pode ser o Tempo. O tempo até pode curar tudo, mas é mais lento que um caracol.
Também não pode ser Meter a Cara no Trabalho. Não, o trabalho dá trabalho. Não conseguimos relaxar e o cansaço aliado à depressão leva à exaustão.
Nem pode ser Amigos. Os amigos são as melhores vitaminas. Tornam-nos saudáveis, mas não têm aquela substância que cura esta dor. A amizade é um tipo de amor muito diferente.
Por falar nisso, a solução é óbvia. Se “amor com amor se paga”, então também a dor de amor cura-se com amor. Amor do mesmo tipo, mas mais forte. Assim tem de ser o antibiótico.
Posologia: sair, sorrir e brilhar todos os dias. Conviver, encantar e ser exigente a seleccionar.
Lembrar: Mais importante que amar muito, é amar bem. Amor não correspondido é um investimento a fundo perdido. O amor correspondido é um investimento garantido.
“The greatest thing you’ll ever learn is just to love and be loved in return.” (Nature Boy, eden ahbez)


12 de junho de 2011

Reticências

Reticências

Reticências…
Três pontos incertos
Para quem, de olhos abertos,
Paga suas penitências,
Vendo apenas o obscuro e intrigante,
Pela curiosidade deselegante…
(…)
Reticências…
Por elas se perdem inocências,
Que ao desvendar o desconhecido
Tudo fica tudo bem percebido,
E lá se perde a ingenuidade
Por culpa da curiosidade.
(…)
Reticências…
                                Sally M

11 de junho de 2011

Retalhinhos Positivos

“Antes de odiares alguém, lembra-te que se essa pessoa vive é porque tem um coração a bater.” (S. M.)
 “A fortuna nem sempre é apenas obra do acaso.” (Baltasar Gracián)
“A simplicidade é a forma de verdadeira grandeza.” (Francesco de Danctis)
“Ninguém anseia por aquilo que facilmente obtém.” (Ovidio)
“As pessoas só têm culpa do que fazem conscientemente e imprescindivelmente com maldade.” (S. M.)
 “Coragem é a arte de ter medo sem que ninguém perceba.” (Laços de Família)
“A inocência deixa o coração aberto para o que há de melhor na vida.” (Paulo Coelho)
“Permanece uma cicatriz para nos lembrar que aquilo já foi ferida, mas que já não dói.” (Autor desconhecido)
“Muita gente perde pequenas alegrias enquanto aguarda a grande felicidade.” (Autor desconhecido)
“Os pássaros voam porque não receiam quebrar as suas asas.” (S. M.)
“Uma coisa é saber… outra é estar-se convencido.” (S. M.)
“Despreza o teu sofrimento e sentir-te-ás melhor.” (S. M.)
“Privacidade em excesso leva à solidão.” (S. M.)
“Sempre que tentamos fugir de nós próprios andamos em círculos.” (S. M.)
“A beleza atrai, o charme conquista.” (S. M.)
 “Os que desistem nunca vencem. Os que vencem nunca desistem.” (Autor desconhecido)
“Fica sempre um porco de perfume nas mãos que oferecem rosas.” (Provérbio chinês)
“O coração não tem rugas.” (Madame de Sévigne)
“Don’t you cry tonight, / There’s a heaven above you” (GN’R)
 “ Há respostas que não podem ser mais que um sorriso.” (S. M.)
“Não existem pessoas frias. Existem pessoas que não sabem demonstrar o que sentem.” (S. M.)
“To fail isn’t necessarily bad once you’ve learnt how to fail failing.” (S. M.)

Love is all around

"Come on and let it show!"


10 de junho de 2011

Não olhes para o céu cinzento

Não olhes para o céu cinzento.
Ele não combina com os teus olhos.
Não vás pelo atalho lamacento.
Ele só leva a trabalhos.

Não acredites apenas no que os olhos vêem.
Não é preciso ser visível para se existir.
O sol está lá mesmo quando as nuvens o escondem
E os seus raios trespassam-nas só para te sorrir.

Fala com o mar, escuta a sua canção –
Murmúrio de todos os segredos que ele oculta. –
O mar tudo abarca e não olha à culpa.
As ondas sempre voltam para beijar a solidão.

O mar beija timidamente a terra sequiosa.
Ora vem, ora vai, no seu curso natural.
Talvez um dia inunde aquela saudosa
Que chora na praia o seu grande mal.
Sally M.

4 de junho de 2011

Someday I'll Be Saturday Night - Bon Jovi

“Hey, man I'm alive I'm takin' each day and night at a time
I'm feelin' like a Monday but someday I'll be Saturday night”

“sleeping in my car, my dreams move on”
“Hey man I'm alive I'm takin' each day and night at a time
Yeah I'm down, but I know I'll get by
Hey hey hey hey, man gotta live my life
Like I ain't got nothin' but this roll of the dice
I'm feelin' like a Monday, but someday I'll be Saturday night”
                                                                    (Bon Jovi)



A Abelha Rainha

        Era uma vez uma abelhinha muito bonitinha e atarefadinha. Chamava-se Abie. Era muito trabalhadora e cumpridora, inteligente e competente. Saía da colmeia sempre a horas para ir buscar o pólen. Procurava-o nas flores mais doces e vinha sempre muito carregada, pois queria contribuir o mais possível para a abundância de mel da sua colmeia. Preocupava-a o sustento de todas as suas companheiras obreiras. Mas a certa altura, o mel tão afamado pela sua doçura, começou a perder o seu açúcar e passou a ter um sabor que, na fatigada colmeia, gerou um tremor.

2 de junho de 2011

Uma força mais poderosa que a magia

É difícil de acreditar e de conseguir, mas a nossa auto-estima e a nossa força de vontade têm um poder superior ao da magia.
Para gostarem de nós, temos de gostar de nós próprios primeiro. Para sermos felizes temos de querer sê-lo. Querer mesmo. Costumo dizer que o optimismo atrai coisas boas. E é verdade.
A alegria, a boa disposição, o humor, o carinho, a amizade e tudo de bom que irradiamos contagia, atrai e conquista. O que vem do nosso interior move montanhas.
Já alguém reparou como uma mulher com todas as características de modelo, se for arrogante, desdenhosa, mal-humorada, e tal e tal, perde a sua graça? Já alguém reparou em como uma mulher à primeira vista de aparência simples, mas com tal inteligência, sentido de humor, carinho e generosidade, conquista de tal modo que a achamos lindíssima? É a força do poder interior.
Outro dia tentava explicar a mim própria esta lógica. Pensei o seguinte. Vemos uma pessoa muito triste, ou calada, ou seca, ou fria, ou mal-humorada. Temos facilidade em iniciar uma conversa com ela? É fácil contar-lhe certas coisas? É fácil escolher as palavras? Será que ela cria abertura o suficiente para que os outros se aproximem?
E uma pessoa alegre, cheia de vivacidade? Aquela de conversa fácil, sorridente, compreensiva, dada, aberta, discreta, cordial, generosa. Aquela que nos faz rir ou que tem sempre uma palavra jovialmente amiga? Não nos parece mais acessível? Não nos põe mais à vontade? Não procuramos a sua companhia?
Se investimos na nossa felicidade, se estamos bem, contagiamos os outros e criamos laços muito especiais. Laços que ampliam a nossa felicidade, pois como seres sociais que somos, precisamos da interacção, do retorno, da entreajuda, da companhia.
O melhor do mundo são os amigos e o nosso Amor. O melhor do mundo requer a presença dos outros, requer relações recíprocas.
Há que semear mãos amigas, palavras reconfortantes, brilhos sedutores e colheremos amizade e amor. Conquistaremos a felicidade!

1 de junho de 2011

É possível definir o Amor?

É muito difícil, para não dizer impossível. Mas há quem tente e se aproxime o suficiente.
“Tenta raciocinar sobre o amor e perderás a razão.” (Provérbio francês)
“Amar é depositar a nossa felicidade na felicidade de outra pessoa.” (Gottfried von Leibnitz)
“A razão e o amor são eternos inimigos.” (Pierre Boudelaire)
“A recompensa do amor é o próprio amor.” (John Dryden)
“Amo e portanto o amor existe.” (S. M.)
“Quem ama de verdade não precisa de nenhum padrão moral para seguir.” (S. M.)
“O amor não é um prémio para se merecer ou deixar de merecer.” (Autor desconhecido)
“… love… has nothing whatever to do with kindness, fidelity, generosity, or poetry. (…) But we all know what love is.” (Virginia Woolf)
“Man’s love is of his life a thing apart,/ ‘Tis woman’s whole existence…” (George Gordon, Lord Byron)
“Love’s what makes your garden grow.” (Aerosmith)
“Love is not a subject unless the writer of the song is in love.” (W. Stevens)
“O tempo está para o amor como o vento para os incêndios: apaga os fracos e ateia os fortes.” (Autor desconhecido)
“Don’t settle for the one you can live with, wait for the one you can’t live without.” (Autor desconhecido.)
“O amor tem de ser: perda de razão, pois com tantos defeitos que o ser humano tem, só se pode amá-lo sem razão.” (S. M.)
“… love may be expelled by other love,/ As poisons are by poisons.” (John Dryden)
“O amor é o ponto fraco dos mais fortes.” (J. Ribeiro)

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste dispositivo